- visualizações

Ativista vegana morre atropelada por caminhão de porcos em frente a um matadouro no Canadá

Que nunca seja esquecida.


56 pessoas agradeceram por este conteúdo.


O canal do portal Vista-se no YouTube (inscreva-se) tem o apoio da Loja Vista-se (loja on-line).

Assista ao vídeo | YouTube

Após 40 anos fazendo ativismo pelos direitos dos animais, a ativista norte-americana Regan Russel morreu na sexta-feira (19), vítima de um atropelamento em frente ao matadouro Fearmans Pork, na cidade de Burlington, em Ontário, Canadá.

O motorista do caminhão carregado com porcos que a atropelou disse em primeiro depoimento que não viu a ativista. Não se sabe ainda se foi um acidente ou se ele quis atropelar Regan. Uma investigação foi iniciada.

Os porcos seguiram para o matadouro após a polícia liberar o veículo. O matadouro Fearmans Pork lamentou o ocorrido.

Assim como outros ativistas veganos, Regan ia frequentemente às vigílias em frente a matadouros simplesmente para dar água ao animais e proporcionar-lhes alguns momentos de paz. No geral, os motoristas eram solícitos e paravam os caminhões por 3 ou 4 minutos para que os ativistas fizessem seu trabalho, mas alguns se irritavam pelo atraso que isso os causava.

Esse tipo de ativismo é muito comum no Canadá e nos EUA e já aconteceu no Brasil também. Nos EUA, o ator Joaquim Phoenix, ganhador do Oscar pelo filme Coringa, é frequentador desse tipo de manifestação.

Ingrid Newkirk, presidente da PETA, falou sobre o caso: “Descanse em paz, Regan. Nós ficaremos em paz, mas não vamos descansar.” E pediu para que a morte de Regan nãos eja em vão e que ela traga mais luz à causa dos animais assassinados nos matadouros, porque certamente Regan gostaria que fosse assim.

No dia seguinte à morte de Regan, os ativistas de seu grupo voltaram ao local para uma vigília pela memória dela. Eles acenderam velas e o momento foi de silêncio e reflexão. Eles mostraram uma faixa improvisada com a frase “Salve os porcos para Regan”.

O caso se assemelha ao da ativista inglesa Jill Phipps, que morreu atropelada em 1995 aos 31 anos de idade. Ela protestava contra a exportação de animais vivos em navios e foi atingida por um caminhão que carregava bezerros para serem mortos em outro país.

56 pessoas agradeceram por este conteúdo.

Ir para a capa do Vista-se (clique aqui)

Apoie com R$ 1,00 por mês (clique aqui)

Nossas redes sociais:
Facebook | YouTube | Instagram | Twitter

Publicidade: