Embora ainda teste em animais, P&G sinaliza mudança positiva para o fim desta prática

- visualizações

Embora ainda teste em animais, P&G sinaliza mudança positiva para o fim desta prática

Nada concreto ainda, mas pode ser um passo.


169 pessoas agradeceram por este conteúdo.


A gigantesca multinacional da higiene pessoal Procter & Gamble (P&G), detentora de marcas como Gillette, Ariel, Pampers, Oral-B, Always (absorvente) e outras, anunciou nessa quinta-feira (21) uma parceria com a ONG Humane Society International (HSI).

A P&G firmou um compromisso com a HSI que consiste em parar de testar em animais nos principais mercados do mundo até 2023. Todos os países da União Europeia e alguns outros pelo mundo já proíbem testes em animais para produtos cosméticos, mas a ideia é levar essa regra para mais países.

A China exige testes em animais para comprovar a segurança de produtos cosméticos fabricados fora do país para que eles possam ser vendidos por lá. A P&G não citou a China no comunicado e deixou brechas no texto que dão a entender que sobre esse mercado eles ainda não podem se comprometer (veja aqui).

Isso significa que mesmo depois de 2023 a P&G provavelmente continuará testando em animais, mas em menos países.

Embora não represente o fim dos testes em animais na P&G, a atitude pode ser entendida como algo positivo para incentivar outras empresas a entrarem na luta contra os testes em animais. Isso pode ajudar especialmente na pressão para que a China aceite testes in vitro (sem animais) para comprovação de segurança de cosméticos, assim como todos os outros países do planeta já fazem.

169 pessoas agradeceram por este conteúdo.

Ir para a capa do Vista-se (clique aqui)

Apoie com R$ 1,00 por mês (clique aqui)

Nossas redes sociais:
Facebook | YouTube | Instagram | Twitter

Publicidade: