Evento internacional em Florianópolis pode legalizar a caça às baleias no mundo inteiro

- visualizações

Evento internacional em Florianópolis pode legalizar a caça às baleias no mundo inteiro

Entenda o caso. Muito importante.


271 pessoas agradeceram por este conteúdo.


Autoridades de diversos países estão reunidos em um resort em Florianópolis, Santa Catarina, para literalmente decidir o futuro das baleias em todo o mundo.

A 67ª reunião da IWC – International Whaling Commission (Comissão Internacional das Baleias) acontece no Costão do Santinho Resort (Estrada Vereador Onildo Lemos, 2505 – Praia do Santinho – Florianópolis-SC) até sexta-feira (14).

Entre os temas debatidos pelos representantes de várias nações em relação às baleias, dois se destacam. A criação de um santuário natural no sul do Oceano Atlântico, no qual esses animais teriam uma proteção a mais, e a liberação da caça comercial às baleias. Sim, você leu certo.

A criação da área protegida já foi negada nesta terça-feira (11). Embora tenha recebido maioria de votos, não atingiu o mínimo necessário para ser aprovada. Já a votação para liberar a caça comercial em todo o mundo deve acontecer nesta quinta-feira (13) ou nesta sexta-feira (14).

A nação que atualmente preside a IWC é o Japão, justamente o país que briga há anos para liberar a caça às baleias. Proibida desde 1986 pela mesma IWC, a caça está de novo em pauta porque, na ocasião da proibição, foi dito que seria algo temporário, apenas até que as populações de baleias em risco de extinção se restabelecessem.

Desde a proibição, o Japão vem tentando fazer com que ela deixe de valer. O país defende que as baleias possam ser animais explorados para sua carne assim como bois, porcos, frangos e outras espécies. Eles falam em “abate sem dor” e alegam que é possível fazer um uso sustentável, comendo esses animais enquanto indivíduos, mas cuidando para que não deixem de existir enquanto espécie.

Para caçar baleias sem ser penalizado nesses mais de 30 anos de proibição, os japoneses inventaram um instituto de pesquisa que abate de 300 a 400 animais por ano sob o pretexto de estudo, de ciência.

Como a carne de baleia continua sendo encontrada no mercado japonês, presume-se que ela venha desses animais mortos para fins supostamente científicos.

A decisão que for tomada em Florianópolis nesta semana poderá mudar radicalmente as leis para uma prática que todos acreditavam estar extinta: a caça às baleias.

271 pessoas agradeceram por este conteúdo.

Ir para a capa do Vista-se (clique aqui)

Apoie com R$ 1,00 por mês (clique aqui)

Nossas redes sociais:
Facebook | YouTube | Instagram | Twitter

Publicidade: