Impossible Foods, do ‘hambúrguer vegano que sangra’, conduziu testes desnecessários em ratos

- visualizações

Impossible Foods, do ‘hambúrguer vegano que sangra’, conduziu testes desnecessários em ratos

A empresa tem sido duramente questionada por isso.


44 pessoas agradeceram por este conteúdo.


Uma das mais promissoras empresas “veganas” do mundo, a Impossible Foods, acaba de chocar o movimento vegano. Em um relatório de julho deste ano – que só virou notícia agora –, a empresa descreve testes feitos em ratos para gerar informações sobre a segurança dos componentes de seu hambúrguer.

Segundo o relatório – que pode ser conferido na página 4 do PDF a seguir, em inglês (veja aqui) –, ratos foram alimentados com grandes quantidades de um dos componentes do hambúrguer e foram acompanhados para averiguar alguma possível reação. Eles receberam doses até 200 vezes maiores do que o normal e, após algum tempo, foram mortos e tiveram seus órgãos estudados.

O mais insano dessa história é que esse tipo de teste não é obrigatório para alimentos nos Estados Unidos, foi uma escolha da empresa procurar um laboratório e contratar o teste, considerado adicional pelas autoridades.

Questionada em sua página no Facebook, a empresa respondeu que a intenção é ter argumentos em mãos para atestar que o consumo de seu produto é seguro. “Queremos criar um novo padrão de segurança e transparência na indústria alimentícia.” – disse a empresa (confira aqui, em inglês).

A empresa também argumentou que a popularização de seu produto pode evitar a morte de bilhões de animais no futuro. Sem dúvidas, mas se os testes fossem em cachorros ou gatos, provavelmente a empresa não teria dado esse passo.

Infelizmente, um tiro no pé que causou a morte desnecessária de dezenas de animais. O número não foi revelado, mas, normalmente, para que se tenha dados estatísticos, costuma-se matar pelo menos 50 animais nesse tipo de teste. Lamentável.


Ir para a capa do Vista-se (clique aqui)

Nossas redes sociais:
Facebook | YouTube | Instagram | Twitter

Publicidade:

44 pessoas agradeceram por este conteúdo.